terça-feira, 26 de março de 2013

Homenagem Poética



De Paulo Ras
Aquele Poema




Sai o sol de um ardente imenso.
E a voz de arribação rasga o céu do meu peito.
Foram as minhas letras que emigraram.
Partiram e encontraram de repousantes ventos
A casa de poesia de distante solar.
Vozes de encantamento cantaram aves.
Aves de letras melodiaram em bocas infantes,
Lábios de desenriachar olhos de poeta.
Coração de poeta é carne também.
É músculo também.
É sangue também.
Coração de poeta é de destemida infância
E recanta com tuas vozes os curvilíneos
Dos poéticos tons das tramas tecidas de letras.
Crianças cantam,
Poeta clama,
Poeta chama,
Poeta chora.
Poeta é assim.
Gente de chorar grande.
Gente grande de chorar poeta.
Estranhante é esse poeta.
Que fala de dor,
Mas chora no pio dos pássaros.
Mas poeta é assim.
Intenso.
Insano.
Desapropriado das coisas.
E cirandeando infante
Se cirandeia com os pios.
Viagem ao distante de calor.
Mormaço de amores.
Crianças-poetas.
Derramadas em letras.
Sob as bênçãos da lua maestrina.
Som sob sonoros aplausos
Das coisas de Deus.

Um belíssimo presente do poeta Paulo Ras, amigo e parceiro do projeto Aquele Poema.

sexta-feira, 22 de março de 2013

Homenagem Poética



De Gilberto Almeida

Poesia em círculo

(À professora Gerlane Fernandes e seus alunos) 


 Um belíssimo presente do poeta Gilberto Almeida, amigo e parceiro do projeto Aquele Poema

Publicado também em: 


terça-feira, 19 de março de 2013

Homenagem Poética



De Anderson Gouvêia
Aquele Poema





Deram-me uma folha,
Rabisquei alguma coisa,
Mas não sabia,
Que o tempo mostraria,

Aquele Poema,
Que um dia quando criança,
Pensei em escrever,

Pra mim, e pra você.

Desenhei no céu meu sonho,
E um dia, sem esperar, ele chegou,
Mostrou que pra ser poeta,
Basta apenas ter amor,

Respeitando a escrita,
Pois uma palavra muda vidas,
Assim como mudou a minha.

E um anjo nasceu na terra,
Trazendo aos alunos conhecimento,
Misturando tinta com cimento,
Mostrando no decorrer do tempo,

Que para ser grande,
Tem que aprender a ser pequeno.

Um belíssimo presente do poeta Anderson Gouvêia, amigo e admirador do projeto Aquele Poema.

sexta-feira, 15 de março de 2013

Homenagem Poética



De Carlos Pedala
Vento de nuvens
Um poema para Gerlane Fernandes


Hoje é o mundo moderno
Da antiga folha do caderno
As letras saltam e ganham vida
Nessa estrada comprida,
ou melhor, avenida
Que é a Internet

Gerlane Fernandes é lá da Bahia,
Mais precisamente de Juazeiro,
Terra cantada pelo Rei do Baião,
O inesquecível Gonzagão,

Ela solta balões de poesia,
Mas não só em São João
Ora, apenas ensinar é pouco
Para quem olha os céus
e vai com o vento a vagar
Ela é a própria matéria da poesia,
Tão concreta como nuvens e sonhos.



Um belíssimo presente do poeta Carlos Pedala, amigo e admirador do projeto Aquele Poema.